Nossos Filhos e a Revolução Eletrônica

As crianças são o epicentro da revolução digital, dizia o articulista da revista Wired, uma das publicações mais reconhecidas sobre Internet no mundo.

E continua: Depois de séculos de opressão, as crianças estão saindo do nosso controle, encontrando-se umas com as outras na grande colmeia que é a internet, e segue dizendo que a Internet possibilitará a libertação das noções rígidas dos mais velhos sobre o que é bom e o que é ruim.

Isso olhado do ponto de vista de avanço no campo do conhecimento deve ser celebrado, realmente. Mas o conhecimento por si só não tem o poder de formar bem uma criança, nem prepará-la para a vida num contexto onde desfrute de alegria, equilíbrio, amor e paz, pelo menos, em seu interior.

Muitos pais estão aceitando, passivamente, essa argumentação de liberdade e entregando seus filhos à exposição de qualquer tipo de conhecimento (pornográfico, degradante, ofensivo à sua própria individualidade). Estão entregando nas mãos dos filhos decisões que ainda não podem ser tomadas por eles. Não, por não terem o direito de exercerem sua vontade própria, mas por não terem condições de fazê-lo de maneira produtiva e em benefício de si mesmos. Note que não disse  “produtiva para a Sociedade”; embora, isso venha ocorrer como consequência. Deixar nossas crianças sem orientação direta, presente e participativa de seus pais é o caminho mais curto para o estabelecimento de um estado emocional interior doentio nelas mesmas.

Nossas crianças necessitam de estímulo, de acompanhamento direto dos pais, não das babás, da TV ou da Internet. Não podem insistir em ausentar-se da tarefa de educar, na mais pura acepção da palavra. Os pais são responsáveis por atuar como orientador de ensino na vida de seus filhos, ajudando-os a encontrar a maturidade.

A Bíblia mostra um pai participativo: “Filho, não esqueçam dos meus ensinos e o seu coração lembre sempre dos meus conselhos.” –  Provérbios 3:1. Esse pai descobriu que o investimento nos filhos poderia abreviar o caminho à vitória, evitando muitos dissabores e ligando esse filho, intimamente, para si com laços de amor, de gratidão, não por opressão, nem por violência.

Hoje, agora mesmo, os pais poderão fazer uma decisão. Volte para casa disposto a ser esse orientador de ensino, ajudando seu filho a descobrir com maior segurança as saídas dos emaranhados da vida, e os caminhos para a vida que vale a pena ser vivida. Se perdeu muito tempo, não importa! Se não sabe como fazê-lo, busque a ajuda do Pai Maior, do Senhor Deus e Sua sabedoria. “Porque o SENHOR dá a sabedoria,e da sua boca vem a inteligência e o entendimento. Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos;é escudo para os que caminham na sinceridade.” – Provérbios 2:6-7

Se  buscar esse compromisso pessoal e íntimo com o Senhor Deus em sua vida, agora mesmo, irá encontrar a verdadeira razão de viver e poderá levar isso não só a seus filhos, mas a todos quantos ama. Tenha coragem e busque agora mesmo!

Bispo Pedro Luiz

Feliz Dia dos Pais

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *