Como Vencer o Monstro do Medo

Cada nascer do sol parece trazer novas razões para se ter medo. Todo o mundo está falando sobre redução salarial, guerras no Oriente Médio, quedas nos mercados imobiliários, aumento do aquecimento global. Algum ditador enlouquecido está colecionando ogivas nucleares como alguém que coleciona selos. Noticiários despejam informações lavadas de violência e sangue.

Temos medo de ficar sem dinheiro; tememos a pinta que nasceu nas costas, o vizinho da frente e a falta de segurança nas ruas. Nunca se gastou tanto dinheiro em segurança, sistemas de alarmes, cercas elétricas e, no entanto, dependemos de calmante mais que qualquer outra geração da história. Uma criança hoje tem os mesmos níveis de ansiedade que um paciente psiquiátrico comum no ano de 1950. O medo nos aprisiona e tranca as portas das possibilidades.

VOCÊ CONSEGUE IMAGINAR UMA VIDA SEM MEDO?

Essa é a possibilidade por trás da pergunta de Jesus em Mateus 8:26: “Por que vocês estão com tanto medo?”. Em Mateus 8.23,24 diz: “Entrando ele no barco, seus discípulos o seguiram. De repente, uma violenta tempestade abateu-se sobre o mar, de forma que as ondas inundavam o barco.”

Naquela noite a tempestade era tão forte que viu a terra e a praia tremendo e ele precisa uma palavra que descrevesse todo a força do desespero que passou, então usou a palavra σεισμός (seismos), terremoto, ele usou esta palavra em outras duas ocasiões:

  • Uma vez na morte de Jesus quando o calvário tremeu (Mateus 27:51-54);

  • E mais uma vez na ressurreição de Jesus quando a sepultura tremeu (Mateus 28:2).

A tempestade acalmada compartilha da trilogia dos grandes feitos de Jesus:

  • Derrotando o pecado na cruz.
  • Derrotando a morte na sepultura.
  • Silenciando o medo no mar.

O medo que aqueles discípulos sentiram foi repentino, pois o texto nos diz que a tempestade foi “De repente, uma violenta tempestade abateu-se sobre o mar.” É interessante notar as duas frases juntas:

Entrando ele no barco, seus discípulos o seguiram. De repente, uma violenta tempestade abateu-se sobre o mar…

Pense se o resultado da obediência dos discípulos entrarem no barco fosse uma conseqüência mais feliz, Por exemplo: Entrando ele no barco, seus discípulos o seguiram. De repente, um arco Iris apareceu no céu, ou, um bando de andorinhas voaram e o mar tranqüilo como vidro espelhava o mastro. Mas ao invés disso, embarcar com Cristo pode significar se molhar com Cristo.

Os discípulos de Cristo podem esperar mares violentos e ventos fortíssimos, João 16.33 nos diz: “Neste mundo vocês terão aflições… (não, podem ter ou talvez tenham)”.

Os seguidores de Cristo contraem malária, enterram crianças e lutam contra o vício e, como resultado encontram o medo. Não é a ausência de tempestade que nos distingue e sim quem descobrimos na tempestade: UM CRISTO IMPERTURBADO. Mateus 8:24 “Jesus, porém, dormia.”

A pergunta dos discípulos em Marcos 4:38 foi: “Mestre, não te importa que morramos?” as palavras com as quais os discípulos despertam Jesus levanta dúvida sobre o seu caráter: “Não te importas?”

O medo faz isso. O medo corrói nossa confiança na bondade de Deus. Começamos a perguntar se o amor habita os céus. Como Deus pode dormir em nossas tempestades? Como Ele permite tempestades quando estamos no barco com Ele? Ele não se importa com nossos problemas? O medo libera dúvidas de todos os tipos, dúvidas que nos deixam com raiva. O medo nos transforma em maníacos controladores. Faça alguma coisa a respeito da tempestade?

Começamos exigir que Deus aja como queremos e na hora que queremos… alguns dão ordens a Deus e até o ameaçam. O medo, em sua essência, é uma perda nítida de controle. Parece que quanto mais inseguros nos sentimos, mais malvados nos tornamos. Grunhimos e mostramos nossas garras. Por quê? Em parte porque somos maus e em parte porque nos sentimos encurralados. O medo libera o tirano que existe dentro de nós.

Aqui percebemos também que o medo enfraquece nossa memória. Os discípulos tinham muitas razões para confiar em Jesus:

  • Mateus 4:23 Tinham visto Jesus curando toda enfermidade e doenças entre o povo;

  • Mateus 8:3-13 Tinham testemunhando quando ele curou um leproso com um toque e um servo com um comando;

  • Mateus 8:14-15 Pedro viu sua sogra doente se recuperar;

  • Mateus 8:16 Ele expulsou os espíritos com uma palavra e curou todos os doentes.

Será que eles não se lembravam disso? O medo cria uma espécie de amnésia espiritual. Ele limpa a nossa memória de milagres, nos faz esquecer o que Jesus já fez e como Ele é bom. Quando o medo molda a nossa vida, a segurança se torna o nosso deus. Quando a segurança se torna o nosso deus, idolatramos a vida sem riscos. Pergunto:

  • O amante da segurança pode fazer alguma coisa grandiosa?

  • O avesso ao risco pode executar atos nobres?

A resposta a estas perguntas é um redondo NÃO!

  • Os temerosos não conseguem amar profundamente;

  • O amor é arriscado;

  • A benevolência não tem garantia de retorno;

  • Os temerosos não podem sonhar livremente. E se seus sonhos pifarem e caírem dos céus?

  • A adoração da segurança enfraquece a grandeza.

NÃO É ATOA QUE JESUS TRAVA TREMENDA GUERRA CONTRA O MEDO.

Seu comando mais comum é o lema “Não temas…”. Os evangelhos listam 125 imperativos emitidos por Cristo. Destes, 21 nos dizem para “não temer” ou “ Não ter medo” ou “ter coragem”. O segundo comando mais comum, é amar a Deus e ao próximo, e aparece apenas 8 vezes. A frase que Ele disse mais que qualquer outra foi: “NÃO TENHA MEDO”.

Por isso a pergunta de Jesus nesse texto é muito boa: Ele levanta a cabeça do travesseiro, saída poupa para a tempestade e pergunta: “Por que vocês estão com tanto medo, homens de pequena fé.” (Mateus 8:26).

O medo em si não é pecado, mas ele pode levar ao pecado: medo que uma criança tem de atravessar a rua, medo de continuar fumando, medo diante de um cachorro raivoso, esse medo é positivo. Se usarmos para vencer o medo: Explosões de raiva, bebedeiras, ataques de rabugice, excluiremos Deus da solução e aumentaremos o problema. Repetidos ataques de insegurança que nos petrifiquem e paralisam não é o que Deus planejou para nós.
II Timóteo 1:7 – “Pois Deus não nos deu espírito de covardia.”

O medo sempre irá bater na sua porta, não deixe ele entrar, não o convide para jantar e não lhe ofereça uma cama para passar a noite. Jesus lidou com o grande temor da tempestade com calma. Mateus 8:26 – “Então ele se levantou e repreendeu os ventos e o mar, e fez-se completa bonança.”

O mar fica tão calmo quanto um lago congelado e os discípulos ficam imaginando: “Quem é este que até os ventos e o mar lhe obedecem?” (Mateus 8:27).

Chame a Jesus para acalmar a tempestade da sua vida. Ele virá, repreenderá o vento e o mar e a bonança virá sobre sua vida.

Bispo Pedro Luiz

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *